Alternativa 104.9 FM

Parceiros da Rádio

Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.2
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.25
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.26
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.2588
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.24
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.2
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.23
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.267
IMG-20230518-WA0045
IMG-20230518-WA0046
IMG-20230518-WA0047
IMG-20230518-WA0048
IMG-20230518-WA0049
IMG-20230518-WA0050
IMG-20230518-WA0051
Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.2 Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.25 Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.26 Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.2588 Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.24 Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.2 Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.23 Imagem do WhatsApp de 2023-04-03 à(s) 19.29.267 IMG-20230518-WA0045 IMG-20230518-WA0046 IMG-20230518-WA0047 IMG-20230518-WA0048 IMG-20230518-WA0049 IMG-20230518-WA0050 IMG-20230518-WA0051

Equador

Presidente do Equador decreta dissolução do Parlamento e convoca novas eleições

Publicado

sobre

Gostou? Compartilhe
ANÚNCIO
Presidente do Equador decreta dissolução do Parlamento e convoca novas eleições

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, decretou a dissolução da Assembleia Nacional, parlamento do país, e convocou novas eleições. O decreto foi publicado nesta quarta-feira, 17. A medida ocorre um dia após a primeira audiência do processo de impeachment contra Lasso, que teve abertura autorizada na semana passada. No decreto, Lasso determinou que o Conselho Nacional Eleitoral do Equador convoque novas eleições nos próximos sete dias.

Gostou? Compartilhe
Continue lendo
Anúncio

eleições

Justiça do Equador legaliza dissolução do Congresso e abre caminho para eleições gerais 

Publicado

sobre

Gostou? Compartilhe
ANÚNCIO
Justiça do Equador legaliza dissolução do Congresso e abre caminho para eleições gerais 

A Justiça do Equador aprovou na quinta-feira, 18, a dissolução do Congresso feita pelo presidente Guillermo Lasso na quarta-feira, 17. O Tribunal Constitucional do Equador rejeitou por unanimidade as ações apresentadas contra a decisão do líder equatoriano que era alvo de um processo de impeachment por um suposto caso de corrupção. A ferramenta, classificada como ‘morte cruzada’, está prevista na Constituição, mas nunca tinha sido usada antes, e foi utilizada por Lasso para dar fim ao processo contra ele, o que o permite ficar no poder até a realização de um novo pleito. Com isso, fica aberto o caminho para novas eleições gerais antecipadas – previstas inicialmente para acontecer em 2025 – para completar o período de quatro anos de mandato. O tribunal eleitoral informou, também na quinta-feira, que as eleições devem ser realizadas em 20 de agosto e, um eventual segundo turno, em 15 de outubro. O mais alto tribunal equatoriano emitiu seis sentenças, nas quais decidiu “rejeitar as ações de inconstitucionalidade”, bem como “os pedidos para que a corte aprove medidas cautelares a fim de suspender provisoriamente os efeitos do Decreto impugnado”, assinala um comunicado do órgão. Lasso, que assumiu o cargo em maio de 2021, comemorou no Twitter: “Este tribunal ratifica a minha decisão, que segue a Constituição da República.” Virgilio Saquicela, agora ex-presidente do Congresso, e outros ex-parlamentares haviam entrado com ações de inconstitucionalidade contra a decisão de Lasso de dissolver a Assembleia Nacional. O uso da ferramenta pelo líder equatoriano também foi questionada por Rafael Correa, líder da oposição que governou o país entre 2007 e 2017, e atualmente está morando na Bélgica desde que deixou o país. Apesar de considerar que a antecipação das eleições é o melhor para o Equador, a suspensão do Congresso era inconstitucional. Lasso, um direitista impopular, é rejeitado por 80% da população, e ainda não declarou se vai concorrer ou não. “O melhor dos mundos para nós é que ele se apresente como candidato. Ele verá a resposta do povo equatoriano”, disse Correa. O processo de impeachment que corria contra Lasso era o segundo em menos de um ano. Em junho de 2022, o Parlamento tentou, por votação direta, destituí-lo durante os violentos protestos indígenas contra o alto custo de vida. Na ocasião faltaram 12 votos para concretizar a destituição em meio a uma grave crise política.

 

Gostou? Compartilhe
Continue lendo

eleições

Justiça do Equador legaliza dissolução do Congresso e abre caminho para eleições gerais 

Publicado

sobre

Gostou? Compartilhe
ANÚNCIO
Justiça do Equador legaliza dissolução do Congresso e abre caminho para eleições gerais 

A Justiça do Equador aprovou na quinta-feira, 18, a dissolução do Congresso feita pelo presidente Guillermo Lasso na quarta-feira, 17. O Tribunal Constitucional do Equador rejeitou por unanimidade as ações apresentadas contra a decisão do líder equatoriano que era alvo de um processo de impeachment por um suposto caso de corrupção. A ferramenta, classificada como ‘morte cruzada’, está prevista na Constituição, mas nunca tinha sido usada antes, e foi utilizada por Lasso para dar fim ao processo contra ele, o que o permite ficar no poder até a realização de um novo pleito. Com isso, fica aberto o caminho para novas eleições gerais antecipadas – previstas inicialmente para acontecer em 2025 – para completar o período de quatro anos de mandato. O tribunal eleitoral informou, também na quinta-feira, que as eleições devem ser realizadas em 20 de agosto e, um eventual segundo turno, em 15 de outubro. O mais alto tribunal equatoriano emitiu seis sentenças, nas quais decidiu “rejeitar as ações de inconstitucionalidade”, bem como “os pedidos para que a corte aprove medidas cautelares a fim de suspender provisoriamente os efeitos do Decreto impugnado”, assinala um comunicado do órgão. Lasso, que assumiu o cargo em maio de 2021, comemorou no Twitter: “Este tribunal ratifica a minha decisão, que segue a Constituição da República.” Virgilio Saquicela, agora ex-presidente do Congresso, e outros ex-parlamentares haviam entrado com ações de inconstitucionalidade contra a decisão de Lasso de dissolver a Assembleia Nacional. O uso da ferramenta pelo líder equatoriano também foi questionada por Rafael Correa, líder da oposição que governou o país entre 2007 e 2017, e atualmente está morando na Bélgica desde que deixou o país. Apesar de considerar que a antecipação das eleições é o melhor para o Equador, a suspensão do Congresso era inconstitucional. Lasso, um direitista impopular, é rejeitado por 80% da população, e ainda não declarou se vai concorrer ou não. “O melhor dos mundos para nós é que ele se apresente como candidato. Ele verá a resposta do povo equatoriano”, disse Correa. O processo de impeachment que corria contra Lasso era o segundo em menos de um ano. Em junho de 2022, o Parlamento tentou, por votação direta, destituí-lo durante os violentos protestos indígenas contra o alto custo de vida. Na ocasião faltaram 12 votos para concretizar a destituição em meio a uma grave crise política.

 

Gostou? Compartilhe
Continue lendo

eleições

Justiça do Equador legaliza dissolução do Congresso e abre caminho para eleições gerais 

Publicado

sobre

Gostou? Compartilhe
ANÚNCIO
Justiça do Equador legaliza dissolução do Congresso e abre caminho para eleições gerais 

A Justiça do Equador aprovou na quinta-feira, 18, a dissolução do Congresso feita pelo presidente Guillermo Lasso na quarta-feira, 17. O Tribunal Constitucional do Equador rejeitou por unanimidade as ações apresentadas contra a decisão do líder equatoriano que era alvo de um processo de impeachment por um suposto caso de corrupção. A ferramenta, classificada como ‘morte cruzada’, está prevista na Constituição, mas nunca tinha sido usada antes, e foi utilizada por Lasso para dar fim ao processo contra ele, o que o permite ficar no poder até a realização de um novo pleito. Com isso, fica aberto o caminho para novas eleições gerais antecipadas – previstas inicialmente para acontecer em 2025 – para completar o período de quatro anos de mandato. O tribunal eleitoral informou, também na quinta-feira, que as eleições devem ser realizadas em 20 de agosto e, um eventual segundo turno, em 15 de outubro. O mais alto tribunal equatoriano emitiu seis sentenças, nas quais decidiu “rejeitar as ações de inconstitucionalidade”, bem como “os pedidos para que a corte aprove medidas cautelares a fim de suspender provisoriamente os efeitos do Decreto impugnado”, assinala um comunicado do órgão. Lasso, que assumiu o cargo em maio de 2021, comemorou no Twitter: “Este tribunal ratifica a minha decisão, que segue a Constituição da República.” Virgilio Saquicela, agora ex-presidente do Congresso, e outros ex-parlamentares haviam entrado com ações de inconstitucionalidade contra a decisão de Lasso de dissolver a Assembleia Nacional. O uso da ferramenta pelo líder equatoriano também foi questionada por Rafael Correa, líder da oposição que governou o país entre 2007 e 2017, e atualmente está morando na Bélgica desde que deixou o país. Apesar de considerar que a antecipação das eleições é o melhor para o Equador, a suspensão do Congresso era inconstitucional. Lasso, um direitista impopular, é rejeitado por 80% da população, e ainda não declarou se vai concorrer ou não. “O melhor dos mundos para nós é que ele se apresente como candidato. Ele verá a resposta do povo equatoriano”, disse Correa. O processo de impeachment que corria contra Lasso era o segundo em menos de um ano. Em junho de 2022, o Parlamento tentou, por votação direta, destituí-lo durante os violentos protestos indígenas contra o alto custo de vida. Na ocasião faltaram 12 votos para concretizar a destituição em meio a uma grave crise política.

 

Gostou? Compartilhe
Continue lendo

Alta

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

Ads Blocker Detected!!!

We have detected that you are using extensions to block ads. Please support us by disabling these ads blocker.

Powered By
100% Free SEO Tools - Tool Kits PRO